sábado, 6 de março de 2010

Agonia!

Corre em minhas veias quentes
O sangue frio do meu dia exausto
Como quem vive e morre de repente
Eu me vejo entre as caras e bocas de um ônibus lotado
Pessoas expressam suas agonias
E se apertam nas faces de um arame farpado
A minha agonia se torna a maior de todas
Na janela meus olhos seguem arregalados
Querendo escapar dessa jaula louca
Meu eu se devora na expressão de um rosto cansado
Não consigo ouvir meu coração
E a voz se perde entre o barulho do asfalto
Que grita versos de solidão
E saem dos meus olhos, como vidros quebrados
O passado... sombra de revolta que gira e volta
No realismo de um dia normal
Me vejo grunindo entre a poeira da rotina
Arranhando a vida com meu instinto animal!

Um comentário:

Ana Karulina disse...

Corre corre dia-dia
A angústia se cria
o coração desfalece
e eu faço uma prece
te quero aqui para me acalmar
e aguentar mais uma dia
sem contempar
o infinito do mar.

Realidade dura de se viver, ams a força de que um dia podemos sim viver junto da natureza e fortalecer cada vez mais o amor que existe pelas coisas simples da vida.

;*