quarta-feira, 9 de junho de 2010

Cicatrizes!



Já não posso dizer as mesmas coisas
Que dantes foram ditas
Perante a íris do teu olhar
Quando num instante estive livre
De tudo o que não vivi inteiramente...
Há em mim pedaços de histórias
Versos que rasgam a memória
Em flashes de tristeza e dor
E qualquer palavra que de mim ouça
É pra ecoar no mundo lá fora
É pra defender os meus ideais
É pra chorar a minha ferida
E bater minhas asas até as montanhas
Onde eu possa derramar os meus ais
E não querer voltar nunca mais
Não derrame lágrimas nem me olhe assim,
Toda vez que eu senti vontade de partir,
Apenas, deixa-me ir!        

3 comentários:

Alessandra Regina disse...

Amiga Juli,

Lindo o seu blog, uma bela forma de expressar sentimentos e sensibilidades humanas, refletindo assim em quem os acessa. Parabéns!
Um forte abraço e que Deus continue a guiar seus passos!

Ale.

Messias Daniel disse...

nossa gosto mt de seus post
mt bons

Ana Karulina disse...

Deixe-me ser eu mesma, com minhas neuras e infelicidades, deixe-me ser esse ser insano e desvairado.
Me perco, me procuro e me acho, no mais profundo infinito de minha alma.
Deixe-me apenas ser eu, com minhas felicidades momentâneas ou prolongadas, deixe-me ser o que sou, pois sendo assim não renego minha alma.
A chama que existe dentro de mim, continuará acesa, queimando pouco a pouco tudo que há de mais belo, mais louco.
Deixe-me existir em mim mesma, verás que todos precisam constantente acreditar que não há nada melhor que apenas deixar-se existir.

Sem vergonha, sem malícia, sem orgulho, deixe-me ser o que sempre fui.


AMOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO ESSA DOIDA LOUCA QUE TODO DIA NÃO DEIXA DE SER ELA MESMO.