quarta-feira, 21 de abril de 2010

Castelo de pedras!



Num castelo de pedras me reconstruo
De águas profundas que correm o rio do meu canto
Pedras que falam, pensam, choram, sonham
Pedras de todas as dores, cores e tamanhos
A temperança no meu olhar enternecido
Preenche de horizonte o mar que ainda não chegou
Busca no escondido o adormecido
Das pedras que o tempo nunca rachou
Em livros velhos e empoeirados
Poesias de vida, morte e labor
Desfaz o templo de sonhos quebrados
E retorna em luz à poetisa a me compor
De cor invisível revestir-me-ei
Pra que me vejam os olhos como estou
E conquiste sem conceitos o sentimento
Do mundo que em mim, serenamente sou
Não deixarei buracos, nem fendas, nem frestas
Pra que o Sol derrame nas palavras que o dia alcança
Luzes de sabedorias e valor
E exporei com coragem as minhas entranhas,
Mesmo diante de risos falsos e artimanhas
Daqueles que não conseguiram tocar o invisível de si
Não me tornarão também,
Pedaços vazios de mim
Compondo músicas com os vaga-lumes do luar
E com a orquestra de suas luzes, o meu caminho iluminar
Voarei ao som de asas, borboletas, cigarras
Som da terra, som do mato, dessas águas
Deleitar-me-ei e renascerei... Aurora!
Já não me conterás nesse ar de fora, submissão
Nem me acordarás pra esse mundo, desilusão
Viverei e aprenderei com as pedras que juntei
Fortalecendo nelas o segredo de cada sonho regado
Nesse castelo de luz e sombra
De ventanias em palavras vivas,
De pedras d’água que respiram
E suspiram orvalhos de amor!

3 comentários:

Ana Karulina disse...

"pedras no caminho guardo todas um dia vou construir um castelo"

Sou o que sou e não deixarei de viver assim, nada a temer e nada a se envergonhar, o que está na alma se reflete todos os dias em meus olhos.
Sem medos ou pudores deste mundo, somos o que construimos a cada segundo, somos as milhares de pedras que encontramos pelo caminho, das mais belas até as mais sujas.
Junto-as todas, coloco em minha humilde sacola e levo comigo, elas se traduzem em minha força, vitórias, conquistas, tristezas e alegrias, são o tudo que há em mim, a energia que emana da minha alma.

;*
saudade nega.

junot oliveira disse...

"Cada um de nós compõe a sua história
Cada ser em si carrega o dom de ser capaz
De ser feliz.

É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir"
(Almir Sater e Renato Teixeira)

É sempre bom visitar seus poemas e curtir a paisagem!
O som do opressor nunca irá sufocar vossos versos,
Nós estamos de passagem mas não de passeio
nesse mistério de mundo,
nesse queira ou não queira
Seus poemas me deixam mudo,
rodopia e faz curar a tonteira.
Espero novos versos!

Messias Daniel disse...

meu castelo de areia que a chuva levou
já não resta suas marcas, já não resta suas cores.
não tem nada de mim naquilo que se foi. agora não sei como recomeçar.
nem sei se tem recomeço, nem sei como me levandar.
onde esta o começo que acabou?